Torrent Downlaods

Rodada de negociações tem início: jornalistas buscam 12%

A partir de segunda-feira (27/2), os jornalistas começam a primeira rodada de negociações para os acordos coletivos de rádio e TV e de jornal e revista de 2012. Na mesa, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio vai expor a proposta de reajuste de 12%, que garante ganho real de 5,7%.

A pauta de reivindicação definida em assembleia em janeiro foi feita com o auxílio de cerca de 100 sugestões enviadas por formulário online ao Sindicato. Agora, a pressão da categoria é fundamental para que os patrões concedam ganhos reais aos jornalistas. Outro ponto cobrado é de 50% de adicional de reutilização da matéria em diferentes plataformas – lembrando que o governo federal está próximo de reconhecer, por lei, sites noticiosos como órgãos de comunicação.

Quanto à segurança da categoria, a cobrança é por seguro de vida diferenciado a repórteres que cobrem áreas de risco, o fornecimento de equipamentos que garantam proteção máxima aos profissionais, entre outros pontos.

Após a reunião de segunda-feira com o Sindicato das Empresas de Jornal e Revista, a comissão de negociação se reúne, no dia seguinte, com o Sindicato das Empresas de Rádio e TV.

As perdas salariais da categoria no último ano são de 6,22%, de acordo com o IPCA. A nossa luta é para reaver o salário real e conquistar aumento nos provimentos, e não apenas o reajuste de acordo com a inflação.

Paralelamente, a comissão que trata das questões de segurança dos jornalistas decidirá na mesma semana sobre a continuidade do planejamento para realização de treinamento e seminário sobre cobertura em áreas de risco.

A seguir, pontos da pauta de reivindicações de rádio e TV e de jornal e revista. O documento foi enviado aos representantes patronais após assembleia, em janeiro.

# Reajuste: 12%
# Vale alimentação: R$ 300,00
# Auxílio-creche: um salário mínimo (R$ 622,00)
# Adicional de reutilização da matéria em outras plataformas: 50%
# Participação nos lucros ou resultados: 40% do salário
# Segurança: criação de comissões paritárias, já previstas em cláusula de convenções, formadas pelos sindicatos de jornalistas e patronais; seguro de vida diferenciado para repórteres que cobrem área de risco; treinamento para cobertura em áreas de risco; uso de equipamento de proteção máxima, como colete à prova de balas, e comissões de segurança dentro das redações, com estabilidade, composta por repórteres e editores para avaliar pauta de risco e fiscalizar o cumprimento de itens de proteção e o direito do repórter de negar-se a enfrentar riscos.
# Implantação do plano de saúde em todas as empresas.
# Adicional de risco de 30% para quem trabalha em cobertura policial.
# Tíquete alimentação: R$ 30,00

LEIA MAIS: Campanha salarial invade bloco dos jornalistas